São Paulo lidera mercado de geração solar distribuída do Brasil

Isenção do imposto até 5 megawatts e maior entendimento a respeito das vantagens da energia solar fotovoltaica no Brasil são as prováveis causas para ter colocado o estado paulista em primeiro lugar. Desde que o mercado de energia renovável foi introduzido no Brasil, Minas Gerais ocupava o topo da lista

Mais de 282,5 mil conexões operacionais espalhadas por todos os 645 municípios paulistas e 329,7 mil pessoas consumindo energia solar. Na virada de março para abril, o Estado de São Paulo lidera o mercado de geração solar fotovoltaica no Brasil. Trata-se de algo inédito: desde 2012, quando o mercado foi instituído no Brasil, Minas Gerais sempre ocupava o topo da lista. O levantamento é da Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (Absolar). 

Atualmente, no ranking de potência instalada, São Paulo possui 13,8%, com mais de 2,4 gigawatts em operação. O mercado mineiro está na segunda colocação, com 2,434 GW, seguido pelo Rio Grande do Sul (1,966 MW), Paraná (1,758 MW) e Mato Grosso (1,040 MW). 

De acordo com a associação, há duas situações que provavelmente colocam o estado paulista no topo: uma delas é o maior conhecimento sobre as vantagens da energia solar, segundo o Ronaldo Koloszuk, presidente do conselho de administração da Absolar. “Toda tecnologia exponencial tem uma queda de preço acelerada, como aconteceu com o celular, por exemplo. Um orçamento de dois anos atrás é muito mais barato hoje”.

Conforme o indicador do Radar Solfácil, o preço médio da energia solar no Brasil caiu pelo quarto trimestre seguido, o que pode ser explicado pelo aumento significativo de produção de placas solares fotovoltaicas, que provoca competitividade entre as empresas e contribui para a queda do preço. O valor médio chegou a R$ 4,22 por watt-pico, unidade de potência criada para a aferição de painéis fotovoltaicos, considerado o valor mais baixo:  retração de 4%.

O governo do Estado de São Paulo também tomou importante decisão no começo do ano, quando determinou a isenção do ICMS para a geração de energia distribuída e centrais geradoras com potência instalada de até 1 megawatt. Para a energia fotovoltaica, a tarifa ficou isenta para quem gera até 5 megawatts. Fábio Carrara, CEO da Solfácil, não vê como surpresa a liderança de São Paulo devido a uma renda per capita mais alta e maior população. 

São Paulo lidera mercado de geração solar
São Paulo lidera mercado de geração solar

Números interessantes – O crescimento é puxado pela classe de consumo residencial, que conta com 1,3 GW e 237 mil conexões. Os segmentos comercial, rural e industrial somam potência de 675 MW, 238 MW e 143 MW, respectivamente. 

São Paulo lidera mercado de geração solar com investimentos na ordem de R$12,8 bilhões nos últimos dez anos. O novo vetor de economia também foi responsável por  mais de 74,5 mil empregos e arrecadação superior a R$ 3,5 bilhões para o Estado, conforme cálculos da Associação. 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios