Economia

Rio Oil & Gas – Exposição de produtos e serviços tem reflexos nas rodadas de negócios

Bia Teixeira
15 de setembro de 2010
    -(reset)+

    Propulsão naval – Com as atividades exploratórias e de produção em ritmo crescente no país, a Voith Turbo aposta em seu novo propulsor Voith Radial Propeller, para aplicação offshore em navios-sonda e plataformas de perfuração. Divisão do grupo Voith, que desenvolve tecnologia de ponta em componentes e sistemas relacionados a acionamentos, em seu estande no Pavilhão2, a empresa apresenta inovações em propulsão naval, além de divulgar a abertura de novo escritório na Alemanha, o Voith Turbo Marine Engineering, especializado no desenvolvimento de projetos de embarcações que utilizam, unicamente, o sistema de propulsão naval VSP.

    O novo sistema de propulsão para navios-sonda e plataformas de perfuração, chamado Voith Radial Propeller, gira 360 graus ao redor de seu eixo vertical possibilitando direcionar o empuxo em todas as direções com segurança e agilidade. Disponível nas potências de 4.5 MW e 5.5 MW, esse sistema tem a vantagem de ser desmontado debaixo d’água, o que reduz o tempo de manutenção a bordo.

    “Estamos muito empolgados com o lançamento do novo propulsor Voith Radial, uma vez que podemos construí-lo no Brasil com até 80% de conteúdo local utilizando as instalações da Voith Turbo,em São Paulo, mantendo a qualidade sem perder competitividade” afirma André Araújo, gerente da divisão naval da Voith Turbo no Brasil, que conta que a empresa é a primeira a fabricar este tipo de propulsor no país.

    De acordo com Araújo, planos de nacionalizar 15% da produção e a montagem chegaram a ser estudados, mas não foramem frente. Comas turbinas radiais, porém, foi diferente. A transferência de tecnologia e a supervisão dos testes vêm motivando visitas constantes de executivos e especialistas alemães da matriz ao Brasil.

    Em dez anos, a meta da empresa é fazer parte da elite de fornecedores da Petrobras e ter entre os clientes também outros competidores que começam a surgir no mercado, como a OSX, do empresário Eike Batista. “Temos todas as qualificações para isso”, afirma o executivo.

    Petróleo & Energia, Matheus Freitas, Diretor, Rio Oil & Gas - Exposição de produtos e serviços tem reflexos nas rodadas de negócios

    Freitas exibe novos medidores e as válvulas motorizadas

    Água tratada – No mesmo pavilhão, a francesa Saint-Gobain Canalização (SGC) apresenta ao mercado sua linha industrial para adução e distribuição de água bruta ou tratada, para redes de incêndio e efluentes, com tubos e conexões ponta e bolsa, de ferro fundido para aplicação na infraestrutura, 100% estanques e recicláveis.

    A empresa acabou de fechar contrato para a entrega de12 kmde tubos industriais (DN 300 e DN 600) para o Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj): os tubos de ferro fundido dúctil serão aplicados na rede de incêndio e na condução de efluentes. O carregamento, que foi iniciado em maio, envolveu quase cem caminhões que transportaram os equipamentos da fábrica de Barra Mansa até Itaboraí, onde está sendo construído o Comperj.

    Trata-se do primeiro fornecimento da Saint-Gobain Canalização para o Comperj: a adutora do complexo levará água da estação elevatória de Imunana,em São Gonçalo, até a Estação de Tratamento de Água (ETA) de Porto das Caixas, em Itaboraí, e posteriormente ao Comperj. Após o tratamento da água, a vazão de 250 l/s será dividida: 50 l/s para abastecimento das obras do Comperj e 200 l/s para o abastecimento da população da região.

    “A SGC está investindo cada vez mais em novas tecnologias e o lançamento de nossa linha industrial, que tem grande foco na área de petróleo e gás, é também uma oportunidade para apresentarmos nossos produtos e estabelecer parcerias que permitam levar o nosso material para essas aplicações”, observa Gustavo Siqueira, diretor-comercial e de marketing da Saint-Gobain Canalização.

    Há mais de setenta anos no Brasil, e com larga experiência no setor de saneamento, sendo um dos principais fabricantes deste mercado, o grupo está investindo pesado no setor industrial, estimando que essa linha represente 5% do faturamento total ainda este ano.

    Petróleo & Energia, Alex Freitas, Diretor-comercial, Rio Oil & Gas - Exposição de produtos e serviços tem reflexos nas rodadas de negócios

    Alex Freitas está começando a internacionalizar a companhia

    Networking e novidades – Consolidar a imagem de solidez e crescimento da empresa, informar os principais feitos e fornecimentos, expor e conhecer as novidades ao mercado, networking e visibilidade entre os principais clientes e fornecedores são os fatores que levaram a Hirsa a manter a tradição de participar da ROG. Empresa provedora de soluções para os segmentos de automação, medição e controle da vazão, temperatura, pressão e nível, pretende mostrar novidades e reforçar seu relacionamento com o mercado de óleo e gás, onde atua há quase três décadas.

    De acordo com o diretor Matheus Freitas, além de trazer novíssimos produtos, como um medidor ultrassônico para líquidos, de oito canais, para transferência de custódia e viscosidade superior a 800 cSt, a empresa está divulgando novos contratos de fornecimento de produtos e serviços – entre os quais, a primeira rede de válvulas motorizadas da refinaria Abreu e Lima (Rnest), em Pernambuco. “A feira proporciona ainda a reunião das principais empresas e executivos da indústria do petróleo em um único espaço, fato que possibilita maior interação, permitindo a troca de informações e o estabelecimento de novas parcerias e compromissos”, observa o executivo.



    Recomendamos também:








    0 Comentários


    Seja o primeiro a comentar!


    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *