Economia

Rio Oil & Gas – Exposição de produtos e serviços tem reflexos nas rodadas de negócios

Bia Teixeira
15 de setembro de 2010
    -(reset)+

    Dutos seguros– Do poço, o petróleo vai seguir seu caminho através de dutos submarinos e terrestres, que vêm demandando mais e novas tecnologias. Atenta a isso, a brasileira Asel-Tech, especializada em sistemas de detecção de vazamento de dutos, chega à ROG com algumas novidades e a expectativa de fechar bons negócios. “Estamos nos preparando para receber visitantes do Brasil e de muitos outros países em nosso estande, no qual estamos fazendo o lançamento de dois novos produtos, que não têm similar no mercado”, anuncia o presidente da empresa, Júlio Alonso, otimista com os resultados dos negócios que poderão ser alavancados na ROG.

    Petróleo & Energia, Raimar van den Bylaardt, presidente do conselho executivo do CTDUT, Rio Oil & Gas - Exposição de produtos e serviços tem reflexos nas rodadas de negócios

    Van den Bylaardt conta com estrutura para testar inovações

    Assim como outras provedoras de soluções, a Asel-Tech acredita que será uma oportunidade para fazer bons contatos e reforçar os já existentes com empresas como a Petrobras. “Estamos apostando nisso”, destaca o executivo. “Apesar dessa situação no momento, temos que continuar trabalhando na divulgação de nossas soluções para resolver demandas de clientes, mantendo os engenheiros da empresa informados sobre nossos produtos e serviços”, diz ele. “Logo as atividades voltarão ao normal e nossos clientes estarão bem informados sobre o que temos a oferecer”, pondera Julio Alonso, esperando ter bons resultados na rodada de negociações nas quais se inscreveu.

    Ele salienta que não há lugar melhor para incrementar ou desenvolver sua rede de relacionamentos do que um evento como a ROG. “Tanto que várias empresas nos procuraram propondo compartilhar nosso estande para expor seus produtos, mas só podemos fazer isso com nossos parceiros tradicionais”, destaca Alonso, que tem entre suas parceiras estratégicas a norueguesa Naxos, com um sistema de detecção que complementa a solução criada pela Asel-Tech para dutos.

    Defensor dessas associações, o executivo acredita que a ROG é um espaço interessante para quem busca parceiros. “Muitas empresas estrangeiras ficam ‘perdidas’ na tentativa de fazer negócios no Brasil e sabem que sem parceiros locais é quase impossível ‘penetrar na nossa selva burocrática’. Além disso, essas empresas dependem da experiência e competência da empresa brasileira para desenvolver o mercado e atender os clientes locais com o suporte que eles esperam.”

    Por isso mesmo, ele vê o interesse das estrangeiras como uma oportunidade de negócios. “Até empresas grandes no exterior estão sendo atraídas para o Brasil, principalmente em virtude da campanha mundial sobre o pré-sal”, observa. “Tradicionalmente, a Asel-Tech faz parcerias, ainda que desenvolva suas próprias tecnologias e produtos. Muitas vezes buscamos parcerias com empresas que têm algo inovador ou mesmo incomparável, como é o caso de três das nossas representadas, Naxys, Ampelmann e CRC-Evans, ou mesmo empresas que tenham sinergia ou complementaridade conosco, como é o caso de nossa última parceria, na área de sistemas de invasão de faixa de dutos”, diz.

    Exibir suas competências na área de dutos é também o objetivo do Centro de Tecnologia em Dutos (CTDUT). “Estamos preparados para as oportunidades futuras, que virão com o pré-sal”, afirma Raimar van den Bylaardt, presidente do conselho executivo do CTDUT. “Temos tecnologia, capacitação, entidades de ensino e pesquisa, e empresas fornecedoras de bens e serviços que estão em condições de participar desse desafio.”

    O CTDUT vai abrir as portas, durante a ROG, para convidados que queiram aferir como são feitos os testes dos produtos, equipamentos e sistemas utilizados na malha dutoviária, realizados nas instalações em escala real e laboratórios de pesquisa do centro. É mais uma edição da já conhecida Semana CTDUT, que sempre acontece em paralelo com algum evento no setor. “Temos infraestrutura para oferecer vantagens técnicas e econômicas tanto para fornecedores quanto para operadoras, que podem, por exemplo, testar novas tecnologias sem colocar em risco suas operações. Todos querem aferir isso”, conclui Bylaardt.

    Novos materiais – Outra empresa que também busca se destacar no cenário do pré-sal é a Metalcoating, que utiliza sistemas eficazes de soluções anticorrosivas para atender mercados como o de petróleo e gás, no qual pode aparecer na presença de água, H2S, CO2, substâncias químicas, micro-organismos, e requer uma tecnologia de ponta e qualidade para a complexidade da sua atuação. “Com os desafios de se produzir petróleo e gás natural em áreas abaixo da camada de sal, a seleção de materiais torna-se de vital importância para se otimizar os custos, viabilizar os projetos e proporcionar um aumento na vida útil das diversas instalações de produção”, avalia Gilson Gama, gerente-comercial da Metalcoating .

    A empresa traz para a ROG novas tecnologias de proteção anticorrosiva e anti-incrustante à base de polímeros orgânicos, que conferem novas propriedades e características funcionais aos metais sobre os quais forem aplicados termicamente. “Revestidos com essas proteções, os equipamentos, como dutos, podem ser utilizados nas mais severas condições de temperatura e pressão, até mesmo em ambientes em que há altas concentrações de CO2, H2S e CH4”, destaca o gerente, acrescentando que revestimentos orgânicos têm um uso crescente na Petrobras para a proteção interna de tubulações, válvulas, filtros, bombas, peças e acessórios metálicos. Tanto que a empresa foi certificada pela área de dutos da Petrobras como qualificada para realizar revestimentos orgânicos anticorrosivos em curvas. “Os revestimentos são aplicados internamente e externamente nas curvas, protegendo o substrato metálico da ação corrosiva de fluidos e sólidos”, explica. A tecnologia desenvolvida para essa aplicação é 100% nacional e passa a ser mais um item de nacionalização desenvolvido pela Metalcoating para atender às demandas da Petrobras e do segmento de óleo & gás.



    Recomendamos também:








    0 Comentários


    Seja o primeiro a comentar!


    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *