Randon investe R$ 100 milhões em energia renovável

A fabricante de implementos rodoviários anuncia investimento de R$ 100 milhões nos novos projetos, que se iniciam com a instalação de uma usina solar em Farroupilha, no Rio Grande do Sul

A companhia calcula investir por volta de R$ 100 milhões até 2030 em geração de energia renovável, com o objetivo de prover as operações industriais da empresa no Brasil e em outros países. O começo da implantação dos projetos no Brasil vai ser com uma usina fotovoltaica no Centro Tecnológico Randon (CTR), em Farroupilha (RS), com cerca de 2,3 mil painéis solares.

A planta está recebendo aportes de R$ 7,2 milhões e deverá ser concluída até dezembro para a instalação da usina. Um complexo solar ou parque solar é a usina solar, que funciona como uma grande central geradora elétrica, com milhares de placas fotovoltaicas ou outras tecnologias para transformar a luz do sol em eletricidade e enviá-la aos centros urbanos, por meio de linhas de transmissão.

São muitas as vantagens da aplicação dos projetos de energia solar. Indústrias de todo porte podem se beneficiar da grande economia ao instalar um sistema fotovoltaico. Não importa o segmento de atuação da indústria, essa alternativa pode proporcionar, em médio prazo, uma significativa economia, que se reflete nos custos fixos do negócio.

No caso da Randon, as melhorias têm o objetivo de garantir que a fábrica mantenha a capacidade instalada no local e desenvolva projetos orientados para a mobilidade elétrica, permitindo que todos os veículos criados e testados no Centro Tecnológico usem energia limpa. O excedente, aproximadamente 30% da energia gerada, será fornecido para a área de Expedição da Randon Implementos, localizada no complexo industrial do grupo, em Caxias do Sul (RS). A Randon é um conglomerado de nove companhias, com sede em Caxias do Sul, Rio Grande do Sul, do setor de soluções para o transporte.

A usina fotovoltaica é a primeira instalação de outras que se seguirão nos próximos anos. A RTS Industry, unidade da companhia focada na estruturação de projetos de robotização e automação industrial, será responsável pela entrega e desenvolvimento do modelo em outras unidades da Empresas Randon no Brasil e em outros países.

Diminuição dos gases de efeito estufa

Os novos projetos estão vinculados às diretrizes ESG das empresas Randon, que enfatizam o compromisso de reduzir em 40% a emissão de gases de efeito estufa, gerados no processo de produção até 2030.  O efeito estufa ocorre quando uma parte da radiação infravermelha é emitida pela superfície terrestre e absorvida por determinados gases presentes na atmosfera, os chamados gases do efeito estufa ou gases estufa.

A iniciativa da Randon serve-se do exemplo de uma das empresas do grupo, a Fras-le, na China, onde está em andamento um projeto de usina fotovoltaica, que deve ficar pronto nos próximos meses. A usina está sendo instalada na unidade da Fras-le, em parceria com o governo chinês. O parque solar será responsável por abastecer 20% da energia da unidade. “Movimentos como esses reforçam nosso propósito e compromisso pela sustentabilidade e pelo desenvolvimento das comunidades, onde estamos inseridos, colocando em prática os princípios e estratégias construídos pelas nossas equipes ao redor do mundo”, afirmou o presidente das empresas Randon, Daniel Randon.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios