Quer instalar energia solar em casa?

Sem sombra de dúvidas é uma opção excelente para colaborar com o meio ambiente, mas ainda é um sistema custoso que não vale para todas as famílias e o retorno do investimento, cerca de R$25 mil, é a longo prazo.

Vale a pena instalar energia solar em casa para economizar na conta de luz? A resposta é sim, com algumas considerações: localização e gasto mensal com eletricidade. Primeiramente, é preciso estar preparado para o investimento que dará retorno depois de longo prazo. Bem, vamos aos números desta tecnologia que economiza luz e colabora com o meio ambiente?

A base da simulação é uma família de quatro pessoas, morando em área urbana do Brasil, com gasto mensal de energia em torno de R$ 210, que corresponde ao consumo de aproximadamente 280 kWh por mês. A estimativa de custo é do engenheiro elétrico e especialista em eficiência energética, Gabriel Miglionni, que sugere um investimento inicial para energia solar em casa no valor de R$ 25 mil. O preço já considera os equipamentos e as instalações com equipes do ramo, que costumam dar assistência na parte burocrática do processo de mudança.

Detalhe: o sistema já leva em conta o fornecimento de energia a mais do que a média de consumo da casa, garantindo mais conforto e despreocupação da família se o consumo de energia solar em casa aumentar em alguns períodos, como é de se esperar no verão, com uso de ar-condicionado e ventilador. 

Instalação – Primeiro, procure por uma empresa especializada, para não correr riscos, e peça um orçamento. Será preciso mandar todas as dimensões do telhado onde se deseja a instalação da placa solar e entregar uma cópia da conta de energia mais recente para o especialista fazer o cálculo da média de utilização na residência. Após essa etapa, o lugar que receberá a instalação é preparado e os painéis colocados. 

energia solar em casa
energia solar em casa

Como é o pagamento da conta?

O especialista em eficiência energética recomenda que nas cidades (áreas urbanas) as pessoas mantenham a ligação com a distribuidora de eletricidade, pois a energia solar gerada é encaminhada para a rede e fica contabilizada como créditos abatidos à medida que os moradores usam a energia em casa. No caso destes créditos serem maior do que o consumo, é possível usá-los em outros períodos.

Um exemplo: uma família gerou 1.000 kWh no mês, mas consumiu 800 kWh. A sobra de 200 kWh poderá ser utilizada no próximo mês para pagar a conta de luz. E mesmo que haja créditos de sobra, é preciso pagar pela conexão com a rede de eletricidade, pois as distribuidoras fazem essa cobrança para arcar com os custos de manutenção e ampliação das redes.

A conta de luz continuará chegando, normalmente, mas com valor menor. Vale lembrar que a energia solar é mais vantajosa para famílias que gastam muito com eletricidade. Nos primeiros anos, a economia na conta é revertida para compensar o investimento nos equipamentos de captação de energia solar em casa. Para se ter uma ideia, quem paga mais de R$ 400 por mês, terá o retorno do que gastou em quatro anos. Quem paga menos, precisa avaliar se o investimento inicial compensará a longo prazo. 

Atenção – Há quem acredite que ao usar energia solar em casa, não pagará conta de luz. Cuidado! Isso acontece apenas para quem tem um sistema isolado da rede de eletricidade, que é mais caro por usar baterias para armazenar a energia gerada. Esse sistema chamado de ‘off grid’ não vale a pena nas cidades: além do preço ser maior, a manutenção das baterias é bastante custosa. 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios