Produção de petróleo no ES cresce 23% com retomada de campos em terra e mar

O Espírito Santo produziu uma média de 169,7 mil barris por dia em 2023

Produção de petróleo no ES cresce 23% com retomada de campos em terra e mar

Após alguns anos de declínio, o ano de 2023 marcou a retomada do crescimento na produção de petróleo e gás no Espírito Santo. No decorrer do ano passado, a produção de petróleo no estado aumentou em 23% em comparação com 2022, alcançando uma média de 169,7 mil barris por dia.

De acordo com um levantamento realizado pelo Observatório da Indústria da Findes, com base nos dados da Agência Nacional do Petróleo (ANP), o Espírito Santo permaneceu em terceiro lugar em termos de maior produção de petróleo entre todas as unidades federativas, ficando atrás apenas do Rio de Janeiro (2,9 milhões de bbl/d) e São Paulo (248,1 mil bbl/d). De 2011 a 2018, o estado ocupou a posição de segundo maior produtor do recurso, perdendo para São Paulo em 2019.

“Nós vínhamos observando uma queda desde 2016 e, com os números de produção do ano passado, o ano de 2023 marca o retorno do crescimento na produção de petróleo no Espírito Santo. Vários fatores contribuíram para esse aumento, como a revitalização e criação de novos postos de trabalho na produção em terra na região de Linhares, o aumento da produção nos campos de Jubarte e Golfinho, e a retomada da produção no Parque das Conchas”, explicou Nathan Diirr, gerente de Ambiente de Negócios do Observatório da Indústria da Findes.

No que diz respeito ao gás natural, em 2023 a produção média brasileira atingiu 150 milhões de metros cúbicos por dia (m³/d), representando um aumento de 8,7% em relação ao ano anterior.

No Espírito Santo, a produção diária foi de 4,2 milhões de m³, um aumento de 22,5% em comparação com o ano anterior. O estado ocupa a quinta posição no país nesse quesito, ficando atrás do Rio de Janeiro (108,4 milhões de m³/d), Amazonas (14,3 milhões de m³/d), São Paulo (14,1 milhões de m³/d) e Bahia (4,3 milhões de m³/d).

Dentre os fatores que contribuíram para esse aumento estão:

A maior produção nos campos de Jubarte e Golfinho pode ser explicada da seguinte forma: no campo de Jubarte, o aumento se deve à retomada das operações do FPSO Cidade de Anchieta, que ficou paralisado em 2022; no campo de Golfinho, a melhoria ocorreu após a BW Offshore assumir as operações dos ativos vendidos pela Petrobras. Ambos os campos são localizados em ambiente offshore.

Além disso, houve uma recuperação na produção em ambiente onshore na região Norte do estado, resultado do programa de desinvestimentos da Petrobras na região e dos estímulos regulatórios promovidos pela ANP.

Em janeiro de 2023, a Shell Brasil Petróleo retomou a produção no Campo Abalone, parte do Parque das Conchas. A produção nessa área havia sido interrompida para manutenção nas válvulas de segurança, com o último registro expressivo de produção ocorrendo em dezembro de 2020. O desenvolvimento desse campo faz parte do projeto de exploração de águas profundas da empresa, operacionalizado pela FPSO Espírito Santo.

Para 2024, de acordo com Diir, a expectativa é de um aumento contínuo na produção. Ele afirma: “Com a estabilidade do câmbio e a previsão de um estímulo maior no preço do barril de petróleo, a perspectiva é de um impacto positivo para o Espírito Santo.

petróleo
Imagem ilustrativa

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios