Preço médio da gasolina cai R$ 0,01 nos postos

Após uma série de aumentos, o etanol também registrou uma pequena queda, porém o diesel continua em alta

Segundo o levantamento semanal da ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis) divulgado na sexta-feira (1º de setembro), houve uma leve queda nos preços médios do litro da gasolina e do etanol entre os dias 27 de agosto e 2 de setembro de 2023.

Por outro lado, o preço médio do litro do óleo diesel voltou a aumentar. É esperado que o valor do combustível nas bombas continue subindo nas próximas semanas. Isso se deve à decisão do governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) de retomar a cobrança de impostos federais sobre o diesel, que haviam sido zerados em março de 2021 pelo governo de Jair Bolsonaro (PL).

Preço médio da gasolina e outros valores

GASOLINA

  • preço médio: R$ 5,87 o litro;
  • variação: queda de 0,17% em comparação com a semana anterior;
  • a mais cara: Acre – R$ 6,67;
  • a mais barata: Mato Grosso do Sul – R$ 5,63.

ETANOL

  • preço médio: a R$ 3,65 o litro;
  • variação: queda de 0,27% em comparação com a semana anterior;
  • o mais caro: Amapá – R$ 5,59;
  • o mais barato: Mato Grosso – R$ 3,36.

DIESEL

  • preço médio: R$ 6,03 o litro;
  • variação: alta de 1,69% em comparação com a semana anterior;
  • o mais caro: Acre – R$ 7,34;
  • o mais barato: Amazonas e Sergipe – R$ 5,79.

    Petrobras decidiu não prosseguir com a venda de campos de petróleo

Na manhã de segunda-feira (4), a Petrobras (PETR4) apresentou dois comunicados à Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

A empresa informou que decidiu não prosseguir com os desinvestimentos de ativos de exploração e produção de petróleo, bem como de sua subsidiária na Argentina. No entanto, as vendas de participações em usinas termelétricas serão mantidas.

A diretoria da Petrobras havia reavaliado o plano de desinvestimentos realizado pela gestão anterior e já havia indicado que voltaria atrás em acordos de venda de ativos que ainda não haviam chegado à fase de assinatura de contratos.

A empresa encerrou os processos de desinvestimentos do Polo Urucu, Polo Bahia Terra, Campo de Manati e da sua subsidiária Petrobras Operaciones na Argentina.

Entre esses processos, a Petrobras estava anteriormente negociando a venda do Polo Bahia Terra com um consórcio formado pela PetroReconcavo (RECV3) e pela Eneva (ENEV3), que aguardavam a posição final da empresa.

A Petrobras anunciou que irá revisar periodicamente a permanência de outros ativos em seu portfólio no setor de exploração e produção de petróleo. Isso será feito com base em critérios de rentabilidade atualizados, alinhamento estratégico, oportunidades de descarbonização e a fase de vida produtiva de cada ativo.

No que diz respeito às participações da Petrobras em usinas termelétricas, a empresa confirmou sua intenção de prosseguir com a venda de participações em diferentes empreendimentos. Isso inclui a venda de 20% na Brasympe, que é proprietária da termelétrica movida a óleo combustível Termocabo, bem como 20% na térmica Suape II, que também utiliza óleo combustível como fonte de energia, e 18,8% na UEG Araucária, na qual a Petrobras é parceira da Copel (CPLE6).

A reafirmação da Petrobras em relação à venda dessas participações levou a Copel a anunciar que as empresas seguirão com o processo de venda de 100% do capital da UEG Araucária por meio de um procedimento competitivo.

Além disso, a Petrobras informou que assinou um memorando de entendimentos com o MIC Capital Partners Fundo de Investimento em Participações Multiestratégia Investimento no Exterior do Grupo Mubadala Capital. Esse acordo visa o desenvolvimento de estudos relacionados a futuros negócios no segmento de downstream, com ênfase na avaliação da participação da Petrobras em um projeto de biorrefino.

Segundo o comunicado, o Grupo Mubadala Capital está trabalhando no desenvolvimento de uma biorrefinaria integrada na Bahia, com foco na produção de diesel renovável e querosene de aviação sustentável. Essa iniciativa está alinhada com o Plano Estratégico 2024-28 da Petrobras, que busca preparar a empresa para um futuro mais sustentável e contribuir para o sucesso da transição energética. A diversificação rentável do portfólio da Petrobras desempenhará um papel importante no plano de redução das emissões operacionais de gases de efeito estufa.

preço médio da gasolina

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios