Preço da gasolina pode voltar a patamar de junho de 2021

Valor médio do preço da gasolina está em R$5,74, mas ainda pode baixar até R$ 0,11 com nova redução anunciada pela Petrobras

A nova redução básica aplicada pela Petrobras na venda dos combustíveis às distribuidoras, deve fazer com que o preço da gasolina na bomba volte ao patamar de junho de 2021. No levantamento feito pela Agência Nacional do Petróleo (ANP) divulgado na última sexta-feira (29), o valor médio do litro do combustível estava em R$ 5,74.

Em junho de 2021, a média mensal do litro da gasolina comum era de R$ 5,68. A queda a um patamar de 13 meses é consequência de uma combinação de fatores: isenção de impostos e reduções da Petrobras sob a gestão do novo presidente, Caio Mario Paes de Andrade.

Em menos de um mês, Andrade participou da decisão de reduzir o preço da gasolina duas vezes: primeiro em 4,93% e depois em 3,88%. O preço atual da gasolina (R$ 5,74) já é R$ 1,55 menor do que o valor mais alto registrado até agora, na segunda semana de maio deste ano, quando o litro bateu R$ 7,29.

A queda ocorre na esteira da lei que limitou a alíquota do ICMS sobre combustíveis, energia elétrica, telecomunicações e transporte coletivo e também da redução do quanto a Petrobras (PETR3;PETR4) cobra nas refinarias (foram dois cortes nas últimas semanas, um de 4,9% e outro de 3,9%).

O ICMS como é uma tributação estadual, ou seja, definida pelos estados, antes da lei de fixação, tinha percentuais elevados. Agora, as unidades federativas para se adequarem à nova legislação reduziram os impostos, com o teto máximo entre 17% e 18%, o que incide diretamente sobre a definição de preço dos combustíveis. 

A definição do preço da gasolina é composta pelos seguintes itens: 

  • Petrobrás – 36%;
  • ICMS – 27%;
  • Etanol Anidro – 13%;
  • Cide, PIS/Pasep e Cofins – 10%;
  • Distribuição e revenda – 14%.

Preço da gasolina cai nas bombas

 

Preço do etanol, diesel e gás

Com a redução na alíquota do ICMS dos combustíveis nos estados e o corte de R$ 0,20 no preço do litro da gasolina nas refinarias, o derivado do petróleo ficou 14,01% mais barato ao consumidor neste mês na comparação com junho. 

 

Já o etanol, apesar de também apresentar recuo no preço médio nacional no mesmo período, de 8,34%, hoje é a opção mais vantajosa para donos de carros flex em apenas três estados: São Paulo, Goiás e Mato Grosso. 

 

O preço do diesel também caiu pela quinta semana seguida, mas a queda é bem menor. Foi de apenas 2%. No mês passado, os preços do litro do diesel e da gasolina alcançaram os maiores valores nominais pagos pelos consumidores para os combustíveis desde que a ANP passou a fazer levantamento semanal de preços, em 2004.

 

O preço do Gás Liquefeito de Petróleo (GLP) de 13 quilos, o gás de cozinha, também não teve alteração expressiva. Em média, o botijão foi encontrado pela agência a R$ 111,75 contra R$ 111,80 na semana anterior.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios