Petróleo & Energia: Otimização do dimensionamento de reatores dos processos descontínuo e contínuo de produção de bioetanol

Dessa forma, foi possível verificar a vantagem da fermentação contínua em relação à descontínua, pois a redução do volume necessário para a condução do processo chega a 42% na condição de volume mínimo. Além disso, a redução do volume, no caso de uma adaptação do processo descontínuo para o processo contínuo, implica a possibilidade de se aumentar a produção de bioetanol pela ampliação da vazão de mosto alimentada no processo e mantendo o tempo de residência, pois os reatores não necessários nas condições estudadas poderiam ser utilizados.

5. REFERÊNCIAS

AMORIM, H.V.D. (2005) Fermentação Alcoólica: Ciência e Tecnologia. Piracicaba: Fermentec.

ANDRIETTA, S.R. (1994) Modelagem, Simulação e Controle de Fermentação Alcoólica Contínua em Escala Industrial. p. 178. Tese (Doutorado) – Engenharia Química, Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

TOSETTO, G.M. (2002) Influência da Matéria-Prima no Comportamento Cinético de Levedura na Produção de Etanol. p. 83. Dissertação (Mestrado) – Engenharia Química, Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

UNICA – União das Indústrias de Cana de Açúcar (2014) Disponivel em: <Http://Www.Unicadata.Com.Br/ Historico-De-Producao-E-Moagem.Php?Idmn=31&Tipohistorico=2>. Acesso em 20.11.2014.

Página anterior 1 2 3 4

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios