O que é Geração Distribuída?

Mudança na legislação deve impactar Microgeração Distribuída de energia a partir de Janeiro

A Geração Distribuída (GD) é uma expressão usada para designar a geração elétrica realizada junto ou próxima do(s) consumidor(es)independente da potência, tecnologia e fonte de energia. As tecnologias de GD têm evoluído para incluir potências cada vez menores. 

O conceito envolve, ainda, equipamentos de medida, controle e comando que articulam a operação dos geradores e o eventual controle de cargas (ligamento/desligamento) para que estas se adaptem à oferta de energia. A GD tem vantagem sobre a geração central pois economiza investimentos em transmissão e reduz as perdas nestes sistemas, melhorando a estabilidade do serviço de energia elétrica.

Segundo a economista e sócia da Tendências, Camila Saito, especialista em estudos regionais e classes de renda, “Se, em 2018, apenas 0,07% dos consumidores residenciais brasileiros lançavam mão da geração distribuída, em 2021 esse percentual alcançou 1,03% – um aumento médio anual de 155%. Nossas estimativas sugerem que, no final de 2022, esse percentual tenha atingido 1,8%, ou seja, um crescimento de 83% frente a 2021.”

geração distribuída de energia

Segundo dados levantados pela equipe da consultoria, existem diferenças relevantes na adoção da nova tecnologia como forma de reduzir a conta de energia elétrica em outras regiões do País. “Nossos estudos apontam que, em agosto de 2021, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Rio Grande do Sul e Tocantins tinham as participações mais altas e significativamente superior à média nacional, de 5,4%, 3,9%, 3,8% e 3,2%, respectivamente. Já Roraima, Amazonas, Sergipe e Amapá detinham os menores percentuais, de 0,4%, 0,6%, 0,7% e 0,8%, nessa ordem. Concluímos que fatores como adoção precoce ou tardia, taxa de insolação, tarifa da concessionária e custo do sistema são as causas dessa diferença entre os estados”, diz Walter De Vitto, sócio da Tendências Consultoria e especialista em petróleo e derivados, químicos e energia elétrica.

No ano de 2021, a legislação que regula a GD foi alterada, prevendo a cobrança escalonada da “tarifa fio” para as novas unidades GD a partir de 7/1/2023, o que certamente impactará financeiramente os microgeradores, que até então não precisavam arcar com os custos pelo uso da rede de distribuição. “A perspectiva é de que a cobrança da tarifa pelo uso do fio reduza o ritmo de instalação de novos sistemas GD”, explica Walter De Vitto.

Com as novas regras, espera-se que em 2022 tenha tido uma aceleração dos pedidos de instalação de GD até a introdução da cobrança escalonada da tarifa pelo uso da rede de distribuição e, a partir dos próximos anos, uma redução do mercado potencial de GD e a queda do ritmo de novas instalações.

Sustentabilidade e desafios

Com o aumento da GD, além de pagar menos pelo uso da energia, os consumidores passam a contribuir com o planeta, já que a energia gerada a partir de fontes renováveis reduz as emissões de gases do efeito estufa na atmosfera.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios