Máquinas – Alta tecnologia justifica importações

Foram os resultados muito ruins dos meses iniciais da pandemia os responsáveis pela retração nas importações de máquinas e equipamentos industriais no conjunto de 2020 (segundo a Abimaq, de 5,7%, relativamente a 2019).

Diz isso Paulo Castelo Branco, presidente-executivo da Abimei (Associação Brasileira dos Importadores de Máquinas e Equipamentos Industriais).

“Mas a partir de maio a demanda se reaqueceu muito depressa. Tanto é que alguns setores que mantêm estoque de máquinas e equipamentos – a exemplo de injetoras de plásticos e de máquinas para usinagem – rapidamente zeraram esses estoques”, relata.

Em todos os últimos sete meses do ano passado, destaca Castello Branco, cresceu a demanda nacional por máquinas e equipamentos importados; apesar de, nesse período, o dólar ter se mantido em patamares cambiais bem elevados em relação ao real.

“O dólar alto encarece também a importação de peças e setores que nos últimos anos trabalhavam mais com peças importadas nacionalizaram a produção de algumas delas, por exemplo, no setor automobilístico, e assim demandaram máquinas”, argumenta.

Indústria automobilística de veículos leves, implementos rodoviários, construção civil, fabricantes de linha branca e de móveis, indústria alimentícia e setor farmacêutico, como detalha o dirigente da Abimei, foram os setores que no ano passado mais investiram em máquinas e equipamentos importados, e também aqueles que mais puxarão a demanda no decorrer deste ano.

Máquinas - Alta tecnologia justifica importações - Perspectivas 2021 ©QD Foto: iStockPhoto
Paulo Castelo Branco, presidente-executivo da Abimei (Associação Brasileira dos Importadores de Máquinas e Equipamentos Industriais)

Castelo Branco considera “muito boa” a perspectiva atual de quem traz equipamentos importados para o Brasil. “O investimento em tecnologia virou questão de sobrevivência que as empresas industriais seguirão realizando, pois precisam reduzir custos.

Ainda mais agora, que subiram os preços das matérias-primas”, pondera. Mas, na opinião do dirigente da Abimei, o mercado nacional de máquinas e equipamentos é ainda muito fechado à concorrência internacional, inibindo esse gênero de investimentos.

Mostrar mais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios