Petróleo e Energia

Instabilidades no Oriente Médio tornam o pré-sal brasileiro mais atraente

Marcelo Fairbanks
8 de dezembro de 2019
    -(reset)+

    Negócios com abandono – O Brasil explora petróleo e gás em alto mar (offshore) desde a década de 1970. As primeiras gerações de plataformas já esgotaram sua vida útil, assim como os poços que as abasteciam também atingiram um nível de produção que se tornou inviável. Ao longo dos anos, novas descobertas substituíram e ampliaram as reservas e a produção brasileira. A questão que se coloca agora é o que fazer com esses ativos amortizados e esgotados.

    Petróleo & Energia, Instabilidades no Oriente Médio tornam o produtivo pré-sal brasileiro ainda mais atraente

    OUTRAS REFINARIAS AUTORIZADAS PELA ANP

    Na estimativa da Agência Nacional do Petróleo (ANP), há um potencial para investimentos de R$ 50 bilhões para realizar entre 2020 e 2040 no abandono de poços e no descomissionamento, retirada e destinação de aproximadamente cem plataformas, dutos e demais equipamentos, como apontou o superintende de segurança operacional e meio ambiente da agência Raphael Moura.

    Ele apontou que a Bacia de Sergipe-Alagoas possui 22 unidades marítimas com mais de 25 anos de operação, seguida pela Bacia de Campos, com 21 dessas instalações, como prioritárias. Em seguida, aparecem as Bacias Potiguar (10), Ceará (9), Espírito Santo (3) e Santos (1). Já foram aprovados os planos de descomissionamento das plataformas FPSO Brasil (em Roncador), Marlim Sul (em Marlim Sul), Cidade do Rio de Janeiro (Espadarte), Cidade de Rio das Ostras (Tartaruga Verde) e Piracema Spirit (Piranema), além da plataforma fixa de Cação. Outras cinco plataformas estão em análise.

    Segundo Moura, o ambiente regulatório deve ser previsível e estável, de modo a atrair novos investimentos. No caso da Bacia de Campos, a intenção é ampliar a vida útil, maximizar a produção e evitar o descomissionamento prematuro das unidades. Quando a desmobilização é inevitável, ela deve ser feita de forma segura e ambientalmente responsável.



    Recomendamos também:








    0 Comentários


    Seja o primeiro a comentar!


    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *