Fornecedores nacionais e globais disputam a atenção dos visitantes

Alinhada com o tema do evento – e mais ainda com suas estratégias corporativas, que acompanham atentamente os movimentos da Petrobras e sua previsão de investir US$ 236,5 bilhões até 2012, em 980 projetos, dos quais 833 em implantação –, a cadeia de fornecedores de bens e serviços da indústria de óleo e gás disputa, metro a metro, a atenção dos possíveis ‘consumidores’ de seus produtos: petroleiras, estaleiros e epecistas, principalmente. Ou até mesmo potenciais parceiros, no caso de empresas estrangeiras que precisam atender aos requisitos de conteúdo nacional para ter uma fatia maior de encomendas.

Mesmo quem já está consolidado no setor assegura sua presença, a fim de, entre outros aspectos, reforçar o relacionamento comercial, mostrar sua expertise e anunciar alguma novidade.

Tradicional fornecedora da Petrobras e com um parque produtivo bem posicionado no país, a Prysmian não falta a nenhuma Rio Oil & Gas. “Participamos praticamente de todas as edições da ROG desde 1982”, afiança Armando Comparato Júnior, presidente da empresa para a América do Sul, lembrando que ela é a única instalada no Brasil que possui a linha completa de cabos de energia e de telecomunicações para o segmento Oil & Gas.

Petróleo & Energia, Armando Comparato Júnior, presidente da Prysmian para a América do Sul, Armando Comparato Júnior, presidente da Prysmian para a América do Sul
Armando Comparato Júnior: umbilicais para plataformas terão destaque

Mesmo com essa vantagem, a Prysmian pretende mostrar na feira todo o portfólio de produtos de que dispõe, não somente os produzidos no Brasil, mas também o de outras unidades do grupo. “O principal objetivo é apresentar os nossos mais recentes desenvolvimentos e a ampla gama de produtos da companhia. A exposição também nos traz uma excelente oportunidade de estreitarmos as relações com os nossos parceiros (clientes e fornecedores)”, diz o executivo.

Uma estratégia que tem dado certo, pois a Prysmian tem se expandido no país à base de bons contratos com a principal demandante brasileira, a Petrobras, tendo cumprido, nos últimos doze meses, o fornecimento de umbilicais eletro-hidráulicos para as plataformas P-56 (instalada em Marlim Sul) e P-57 (Jubarte), ambas na Bacia de Campos. “Também atendemos os primeiros contratos de dutos flexíveis fabricados no Brasil para os campos de Sidon (batizado agora de Piracaba), na Bacia de Santos, e de Namorado, na Bacia de Campos.”

Atento à demanda – Atento ao crescente mercado subsea, o grupo Vicel comemora dez anos consecutivos de ROG. “Nossa expectativa é a de aumentar a exposição da marca Vicel e de nossas representadas para gerar novos negócios nos próximos meses. Esperamos dobrar a geração de negócios e de postos de trabalho até o fim de 2013”, diz o gerente comercial para novos projetos, Hélio Brasileiro, lembrando que a feira também é uma oportunidade para estreitar relacionamento com importantes clientes.

O executivo adianta que entre as atividades previstas para a ROG está o anúncio de uma parceria da Vicel com a norte-americana Enviro Voraxial Technology (EVTN), que tem como slogan ‘o estado da arte em sistemas de separação’. “A EVTN é desenvolvedora da tecnologia Voraxial aplicada a separadores de água, óleo e sólidos em grandes vazões, utilizados para tratamento da água de produção de plataformas FPSO e também em refinarias”, explica Brasileiro, informando que o anúncio será feito pela direção das duas parceiras. “Na ocasião, contaremos com a presença de John Di Bela, sócio-gerente da EVTN.”

Entre os destaques do estande estão ainda alguns equipamentos mandatórios no mercado, como a unidade de tratamento de efluentes compacta e com design inovador para petroleiros e embarcações de apoio offshore, denominada Mariner Omnipure; um dessalinizador por osmose reversa, montado pela Vicel no Brasil para atendimento aos requi sitos de conteúdo local; válvulas e conexões termoplásticas certificadas para aplicações nas indústrias naval e de óleo e gás, fabricadas pela Georg Fischer.

Maratona de engenharia– Outra tradicional participante da ROG, a Chemtech, do grupo Siemens, pretende repetir algumas ações bemsucedidas em eventos anteriores, em um estande de 170 m², que conterá uma área especial para clientes e game interativo. “Vamos apresentar as nossas soluções voltadas para megaprojetos de engenharia para óleo e gás, desde o projeto conceitual até o detalhamento para construção. Destacaremos ainda as soluções para segurança de instalações e processos, sistemas avançados de software para o setor industrial, aplicações de instrumentação offshore e subsea”, revela Daniel Moczydlower, CEO da Chemtech.

Petróleo & Energia,  Daniel Moczydlower, CEO da Chemtech, Fornecedores nacionais e globais disputam a atenção dos visitantes
Daniel Moczydlower: maratona conquista estudantes

O executivo afirma que o evento, do qual a empresa participa desde 1996 (quando ainda não pertencia ao grupo alemão), confere ao Brasil e ao Rio de Janeiro o status de polo mundial do segmento de petróleo e gás. “A ROG é referência mundial para o setor, por isso faz parte da estratégia de negócios da Chemtech.” Segundo Moczydlower, o ponto alto da empresa na feira será a final da já tradicional Maratona Nacional Chemtech de Engenharia, realizada desde 2004. A maratona recruta e treina jovens estudantes com softwares de última geração utilizados pela indústria de óleo e gás. Os alunos selecionados fazem um curso via web com três meses de duração, no qual aprendem a operar o software OGM (Oil & Gas Manager), desenvolvido pela Siemens, referência em grandes projetos na área.

Durante o treinamento, os estudantes realizaram projetos de plataformas para exploração e produção de petróleo e gás offshore, com direcionamento para soluções sustentáveis. “Passada a fase eliminatória, em que todos foram avaliados por meio de provas, chegamos às oito universidades com melhor desempenho, que enviarão duplas de participantes para a final da maratona, com todos os custos cobertos pela Chemtech”, frisa o executivo.

Vitrine da química – Embora máquinas e equipamentos tenham sempre grande destaque na feira, até mesmo por sua dimensão e impacto visual, empresas de outras áreas também buscam a ROG para dar maior visibilidade a seus produtos e serviços. É o caso, por exemplo, de empresas do setor químico, que têm uma participação mais técnica na feira, promovendo ações diferenciadas, como workshops, seminários e palestras, entre outros.

“Desafie. Nós solucionamos” é o mote da Dow – alinhado à nova campanha de marca, Solucionismo – na ROG. A empresa vai compartilhar soluções customizadas para o mercado petrolífero em um business center, espaço para salas de reunião, seminário técnico e happy hour. “O objetivo é apresentar ao setor todo o portfólio da Dow Brasil que otimiza o processo de extração de petróleo”, destaca Regina Oliveira, que em julho assumiu a diretoria comercial da divisão de petróleo e gás da empresa para a América Latina. “Além da participação na conferência e a exposição de novas tecnologias no evento, lançaremos um hot site que será integrado com a Rio Oil & Gas, no qual todas as informações sobre as soluções da Dow para este mercado estarão disponíveis on line.”

Petróleo & Energia, Regina Oliveira, diretora comerical, Fornecedores nacionais e globais disputam a atenção dos visitantes
Regina Oliveira: foco nas soluções customizadas para clientes

A suíça Clariant, com seu amplo portfólio de especialidades químicas para todas as etapas da cadeia produtiva de petróleo e gás, também quer destacar sua consolidada capacidade de inovação e expertise no setor brasileiro de óleo e gás, em que atua há mais de 40 anos. A empresa vai promover palestras técnicas no estande, abordando as aplicações de suas soluções em diferentes cenários offshore.

Aliada ao seu portfólio de produtos e serviços, a empresa vai destacar o papel do novo Centro Tecnológico da companhia no Brasil, que terá como principal foco o desenvolvimento de soluções químicas específicas para o mercado latino-americano, incluindo o pré-sal brasileiro. Haverá visitas guiadas às instalações, na Barra da Tijuca, para clientes e parceiros. “O Centro Tecnológico dará suporte a todas as nossas atividades, buscando desenvolver soluções sob medida para a indústria brasileira, que tem inúmeros desafios em águas profundas, principalmente no présal”, afirma Carlos Tooge – vicepresidente para a América Latina da unidade de negócios Oil & Mining Services da Clariant. A empresa também participa da conferência, com três papers: dois da unidade de negócios Oil Services (um do Brasil e outro do Reino Unido) e um terceiro da unidade Catalist, uma das mais recentes aquisições da empresa.

TI marca posição – Há três anos consecutivos participando como expositora e uma das patrocinadoras da Rio Oil & Gas, a Aveva vem marcando posição nesse mercado, no qual o acesso e o domínio das mais modernas ferramentas de TI têm sido apontados como estratégicos por companhias como a Petrobras, em eventos de tecnologia da informação realizados no Rio e em São Paulo.

“Consideramos a ROG como parte do calendário fixo de eventos da empresa”, frisou o vice-presidente sênior da Aveva para a América Latina, Santiago Pena. Ele faz um paralelo entre os 30 anos da feira e quase meio século da empresa. “Em 2012, a Aveva completa 45 anos e, como a ROG, tem muito a comemorar, pois são anos de pioneirismo na área de softwares de engenharia, desenvolvendo e aperfeiçoando continuamente, em parceria com outras grandes empresas e a comunidade de engenharia”, destaca o executivo.

Petróleo & Energia, Santiago Pena,  vice-presidente sênior da Aveva para a América Latina, Fornecedores nacionais e globais disputam a atenção dos visitantes
Santiago Pena: softwares permitem melhorar competitividade

Esse será o mote também do estande da empresa, para demonstrar como a tecnologia pode tornar os clientes mais competitivos, de acordo com os padrões internacionais. “Preparamos apresentações e demonstrações das ferramentas, com o intuito de mostrar um pacote completo de soluções para o setor, tanto na área de Engenharia e Projetos como também na área de Soluções Empresariais”, detalha Pena.

Segundo ele, eventos como a ROG são uma oportunidade para a empresa demonstrar todo o esforço e o empenho na criação e desenvolvimento de soluções que assegurem maior competitividade aos clientes do setor de óleo e gás. “A Aveva é uma desenvolvedora de tecnologia. O uso dela é uma iniciativa de longo prazo, tanto para os epecistas quanto para as operadoras”, observa o executivo, afirmando que a área de hidrocarbonetos ainda é o principal foco dos negócios da companhia.

E a previsão é manter essa tendência para os próximos anos. “O Brasil se tornará um dos maiores exportadores de petróleo do mundo, com a mudança na operação do setor de hidrocarbonetos. Os processos de perfuração, refino, distribuição e armazenagem se tornarão mais complexos, demandando novas e modernas instalações para alcançar essas metas. Nossa tecnologia é utilizada em quase todas essas fases, o que nos abre uma grande oportunidade de negócios”, conclui o presidente sênior da Aveva para a América Latina.

Na rota da excelência – Duas outras organizações que congregam diversas empresas do setor de petróleo e gás também trazem boas novas para a Rio Oil & Gas. Uma delas é o Centro de Tecnologia em Dutos (CTDut), que pretende comemorar o crescimento de sua infraestrutura e a expansão de suas atividades.

“Nos últimos anos, conseguimos ampliar nossas instalações: em março iniciamos as obras do loop de óleo multifásico (que poderá operar com petróleo misturado com água e gás) e, em maio, inauguramos o Laboratório de Proteção Catódica e Revestimentos (LPCR)”, conta Raimar van den Bylaardt, presidente do Conselho Executivo do CTDut.

“Além disso, já garantimos os recursos necessários para viabilizar novas instalações, como o laboratório de certificação de válvulas, já contratado por meio da Financiadora de Estudos e Projetos (Finep), e os laboratórios de tanques e de calibração de medidores de vazão, ainda em fase de definição”, comemora Bylaardt, observando que essa infraestrutura cria melhores condições para o desenvolvimento de novas soluções em dutos no país, alinhada com as questões de conteúdo local.

Entre os dias 17 e 22 de setembro, será realizada a quarta edição da Semana CTDut, programação de testes e demonstrações de inovações tecnológicas voltados para as equipes técnicas de empresas presentes na Rio Oil & Gas 2012. “Este ano já confirmamos a participação das empresas Stopaq (especializada em revestimentos e selantes) e A-hak (especializada na inspeção ultrassônica de dutos)”, conclui o dirigente.

Na mesma linha, o Centro de Excelência em EPC vai apresentar os resultados da sua carteira de projetos, além de promover um seminário no dia 20 de setembro, das 14 às 17 horas, no auditório do pavilhão 04 do Riocentro. Com o tema “Centro de Excelência em EPC: a busca da produtividade”, a iniciativa terá participação da diretoria de Engenharia, Tecnologia e Materiais da Petrobras e da Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan), que apresentará a solução tecnológica de simulação e automação para aplicações críticas na área de petróleo e gás. “O centro vai destacar o papel e a importância da atividade epecista para o setor, sobretudo quando temos, como hoje, a melhoria da eficiência operacional na ordem do dia”, observa o engenheiro Carlos Aguiar, vice-presidente do Centro de Excelência em EPC e consultor do IBP. Ele diz que essa participação está alinhada com o objetivo do centro, criado em 2009 para ser um fórum para reunir operadoras de petróleo e gás, empresas prestadoras de serviços de engenharia, suprimentos e construção e entidades de ensino. “Temos de buscar todas as oportunidades para impulsionar e disseminar boas práticas de produtividade no setor EPCista associado à cadeia de petróleo e gás.

[box_light]ENERGIA NOVA NO SETOR

É assim que pretende se apresentar uma das mais jovens petroleiras brasileiras, a Barra Energia, criada em 2010, e que vem para a sua segunda Rio Oil & Gas com boas-novas: dados obtidos no prospecto Carcará, antes mesmo de o poço ter atingido a profundidade final, confirmaram umacoluna de óleo superior a 400 m, composta principalmente de reservatórios contínuos e conectados, com excelentes características de porosidade e permeabilidade.

Ou seja: a petroleira, que tem no comando os presidentes do IBP, João Carlos de Luca, e da WPC, Renato Bertani, confirmou o potencial da descoberta já anunciada no bloco BM-S-8, no qual tem 10% de participação, ao lado da operadora Petrobras (66%), Petrogal Brasil (14%) e Queiroz Galvão Exploração e Produção (10%). E vai festejar isso com todo brilho no evento.

“Vamos ter um projeto de estande realmente impactante”, afirma Danilo de Luca, gerente de Relações Institucionais da Barra Energia. “Na estrutura do estande teremos a gota, símbolo presente na marca Barra Energia, em diferentes ângulos, representando a ideia de energia e movimento.”

O objetivo da empresa é consolidar a marca e se posicionar como importante player do setor, mostrando os excelentes resultados obtidos em pouco mais de dois anos de atuação. “Nossa expectativa é que, com o evento, haja a abertura de novas oportunidades de negócios, intercâmbio de informações e networking”, destaca, afirmando que a Barra Energia continua prospectando oportunidades para ampliar sua carteira de projetos, seja por meio de farmings, aquisições ou rodadas de licitações. [/box_light]

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios