Demanda mundial de petróleo deve cair 40% nas próximas décadas

Diretor da Petrobras falou sobre redução nas emissões de carbono ao afirmar que demanda mundial de petróleo deve cair

A demanda mundial de petróleo deve cair 40% até 2050, segundo Mauricio Tolmasquim, diretor de Transição Energética e Sustentabilidade da Petrobras (PETR4), a Agência Internacional de Energia (AIE), que prevê três cenários para o futuro do setor de óleo e gás.

Tolmasquim destacou que 128 países têm compromissos oficiais para redução nas emissões de carbono, indicando uma queda inevitável na demanda de petróleo no mundo.

A AIE considera três cenários. No primeiro, não há mudanças, e os países seguem emitindo na mesma proporção, o que resultaria em um aumento na demanda de petróleo de 8%. No segundo, os países cumpririam o acordado em Paris, e a queda seria de cerca de 39%. Já no terceiro cenário, com os países zerando emissões líquidas, a queda na demanda por óleo bruto chegaria a 76%. Tolmasquim destacou que o segundo cenário é o provável, dada a evolução do mercado de energia limpa e automóvel.

Para Tolmasquim, a competição de fontes limpas, como energia eólica e solar, e a chegada de novos combustíveis, como hidrogênio e bioquímicos, vão ampliar ainda mais a pressão sobre os fósseis. Outra questão crucial para o futuro desse mercado é a evolução do mercado de veículos elétricos, que já está em ascensão nos Estados Unidos. Tolmasquim destacou que a mobilidade é o grande demandante de combustíveis fósseis, e o futuro do veículo não é muito promissor.

Demanda mundial do petróleo deve cair… e caiu

Antes que as previsões de que a demanda mundial do petróleo deve cair, a commoditie teve uma manhã de estabilidade, mas apresentou alta volatilidade durante a tarde, encerrando a sessão com uma queda significativa na quinta-feira (8).

A queda do petróleo foi influenciada por um artigo do site Middle East Eye, que reportou que Irã e Estados Unidos estariam próximos de firmar um acordo temporário que reduziria algumas sanções impostas ao Irã em troca da diminuição de suas atividades de enriquecimento de urânio. A reportagem utilizou fontes anônimas.

A Casa Branca desmentiu essa informação nesta quinta-feira, o que levou a uma recuperação parcial, mas não total, do valor do petróleo. Os contratos do petróleo brent para agosto tiveram uma queda de 1,29%, fechando em US$ 75,96 por barril, enquanto o valor do WTI para julho caiu 1,71%, fechando em US$ 71,29.

plataforma de petroleo
Imagem ilustrativa

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios