Veja a demanda global por petróleo em 2023

Opep projeta crescimento nos próximos meses no Brasil. Veja os dados.

Demanda global por petróleo em 2023 segundo a Opep

A Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) divulgou seu relatório mensal nesta quinta-feira (11), no qual reafirmou sua previsão de que a demanda global por petróleo deve aumentar em cerca de 2,3 milhões de barris por dia em 2023, mantendo a mesma previsão para a demanda global por petróleo em 2023 de países fora do grupo, em 1,4 milhão de barris por dia.

Segundo a Opep, a demanda em países da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento (OCDE) deve crescer quase 100 mil barris por dia em 2021, enquanto a previsão de crescimento para países fora da OCDE é de cerca de 2,3 milhões de barris por dia em 2023.

A produção da Opep teve queda de 191 mil barris por dia em abril, em comparação a março, com uma média de 28,60 milhões de barris por dia, de acordo com fontes secundárias. A Opep destaca que os EUA, Brasil, Noruega, Canadá, Cazaquistão e Guiana serão os países que mais contribuirão para o aumento da oferta de petróleo em 2023, enquanto é esperada uma redução na oferta da Rússia. Para 2022, a Opep mantém sua estimativa de um aumento na demanda global em 2,5 milhões de barris por dia.

LEIA TAMBÉM:

Gás Liquefeito de Petróleo: conheça suas características e benefícios para o seu negócio
Tequaly – fornecedora industrial especializada em sistemas e equipamentos, incluindo coleta e tratamento de gases

Produção no Brasil

No seu relatório mensal, a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) afirmou que a produção brasileira de petróleo teve uma queda de 147 mil barris por dia (bpd) em março, chegando a uma média de 3,1 milhões de bpd. Apesar disso, o grupo projeta um aumento na produção do país, impulsionado por alguns campos, mas alerta que a manutenção em plataformas offshore pode causar interrupções em campos maiores.

Conforme o relatório, o Brasil é um dos principais impulsionadores do crescimento da oferta de combustíveis líquidos em 2022, ao lado de EUA, Rússia, Canadá, Guiana e China. O documento aponta que os maiores recuos foram vistos na Noruega e na Tailândia. Para 2023, a Opep espera que o Brasil continue a apoiar a oferta desses combustíveis, enquanto a Rússia deve apresentar uma redução.

A organização também projeta um crescimento de 15% no gasto de capital para exploração de petróleo e gás no Brasil em 2023, em comparação com o ano anterior.

No entanto, a Opep manteve a previsão de crescimento econômico do Brasil em 1,0% para 2023, com uma desaceleração após o avanço de 2,9% do ano anterior. O relatório destaca que os altos juros e a inflação devem causar uma desaceleração e que o espaço fiscal para investimentos domésticos é “limitado”.

Revista Petróleo & Energia,
Imagem de arquivo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios