Custos de produção com hidrogênio verde no Ceará devem cair 60%

Custo do quilo produzido deve passar de US$ 6 para US$ 2,6 em 2030. Entenda os cálculos

Custos de produção com hidrogênio verde no Ceará

A produção de hidrogênio verde (H2V) e o interesse do mercado cearense por essa fonte de energia renovável são temas em destaque atualmente. Os custos de produção com hidrogênio verde no Ceará devem cair 60%. No entanto, um aspecto pouco discutido é a viabilidade econômica dessa produção.

De acordo com a Empresa de Pesquisa Energética (EPE), em 2020 o custo de produção de um quilo de hidrogênio verde era de US$ 6, um valor considerado alto se comparado aos custos de produção de hidrogênio a partir do metano, que variam de US$ 1,4 a US$ 3. No entanto, é previsto que esse custo caia para US$ 2,60 até 2030.

O que dizem os especialistas?

Fernando Antunes, professor do Departamento de Engenharia Elétrica da Universidade Federal do Ceará (UFC) e cientista chefe em energia do Programa Ciência e Inovação em Políticas Públicas da Funcap, explica que a redução de 56,6% em uma década será impulsionada pelo investimento na instalação de plantas de produção e pela chegada da energia eólica offshore.

A previsão da EPE também indica que o Capex, termo usado para se referir ao investimento em bens de capital em um projeto, contribuirá para uma redução de US$ 1,6 no custo de produção do hidrogênio verde até 2030.

Isso se deve ao fato de que, quanto maior a escala de produção, menor será o custo de fabricação. Além disso, a infraestrutura necessária estará pronta, eliminando a necessidade de investimentos a partir do zero.

A chegada da energia eólica offshore está proporcionando a segunda maior redução nos custos. Apenas no Ceará, o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) está analisando o licenciamento ambiental de 22 parques que possuem uma capacidade combinada de 56,6 GW.

De acordo com a EPE, o Brasil possui um potencial de 700 GW de energia eólica offshore, o que é mais de três vezes o consumo de energia elétrica de todo o país. Por essa razão, a energia eólica offshore está sendo direcionada para a produção de hidrogênio verde.

Com o avanço tecnológico, espera-se que a eficiência aumente, o que resultará em uma economia de US$ 0,4 por quilo de hidrogênio produzido.

Além de exportar uma grande quantidade de hidrogênio verde, a produção no Ceará também tem o objetivo de impulsionar a reindustrialização do Estado, permitindo a fabricação de células-combustíveis, eletrolisadores e outros componentes relacionados a essa atividade.

Na área industrial, o setor automotivo é destacado como um campo com grande potencial a ser explorado. Os carros movidos a célula-combustível alimentada por hidrogênio verde são uma alternativa mais econômica e viável do que as baterias convencionais.

O principal problema das baterias está relacionado ao seu peso. Para que um veículo possa se movimentar, é necessário utilizar uma bateria de tamanho considerável ou até mesmo um conjunto delas. Isso acarreta em um aumento significativo no peso do veículo, o que por sua vez demanda mais energia.

Uma outra vantagem do hidrogênio verde em relação às baterias é o tempo de abastecimento. Segundo um especialista, enquanto as baterias precisam de pelo menos uma hora para serem recarregadas, um tanque de hidrogênio pode ser abastecido em aproximadamente 10 minutos.

O hidrogênio também se destaca em termos de eficiência quando comparado à gasolina. De acordo com Antunes, um tanque de veículo com capacidade de 50 litros de gasolina contém cerca de 445 kWh de energia, enquanto um tanque de hidrogênio com a mesma capacidade possui 1.950 kWh de energia.

Produção de hidrogênio verde
hidrogênio verde

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios