Tendência

COP 27: Evento é encerrado com acordo sobre “perdas e danos”, destaque na pecuária sustentável pelo Brasil, entre outros

Com previsão para encerramento em 18 de novembro, COP 27 atrasa e é finalizado em meio a negociações tensas.

A 27ª conferência do clima da Organização das Nações Unidas, a COP 27, acontece desde 1995. Participam do evento, todos os países que ratificaram a UNFCCC, que somam hoje 198 territórios, inclusive o Brasil.

O evento tem o objetivo de discutir o agravamento dos efeitos das mudanças climáticas no mundo e fazer reafirmações e ampliações de metas estabelecidas nos anos anteriores, além de garantir e estabelecer o cumprimento de ações urgentes sobre o clima, reafirmando o compromisso de reduzir os impactos das mudanças climáticas e garantir um futuro mais sustentável para as próximas gerações.

A edição deste ano foi sediada na de Sharm El Sheikh, Egito e teve início em 06 de novembro. Embora seu encerramento fosse previsto para o último dia 18,  alguns contra tempos  e negociações em seu último dia, resultaram na entrega da do texto final com as resoluções de todos os temas que foram discutidos ao longo dos dias.

Embora assuntos como as recentes inundações na Nigéria e no Paquistão, trouxessem um senso de emergência para as tomadas de decisão para o fundo de perdas e danos, as negociações foram prejudicadas devido as crises geopolíticas  da guerra entre a Rússia e a Ucrania e a atual situação de tensão entre EUA e China.

O documento entregue na tarde do dia 20 (domingo) pela presidência egípcia  apresentou um acordo final que estabelece um fundo para ajudar países mais pobres afetados por desastres climáticos, porém, sem  novas menções para emissões de gases poluentes.

Apesar de não ter existido resoluções mais aprofundadas sobre reduções mais rigorosas de emissões de poluentes, as delegações concordaram em unir esforços para limitar o aumento em 1,5ºC as emissões dos gases  de efeito estufa no mundo de forma mais rápida e sustentável.

COP 27
COP 27

Brasil assume papel importante durante evento

A pecuária brasileira é a única atividade presente em todos os 5.700 municípios brasileiros. De acordo com a Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carnes (ABIEC), são  9,7 milhões de toneladas de carne bovina produzidas anualmente, das quais 7,2 milhões são destinadas ao mercado interno e 2,4 milhões para a exportação, tornando o Brasil o maior exportador do mundo.

Além da carne bovina, o país lidera desde 2004 a exportação mundial de frango, responsável por 35% do mercado mundial, gerando uma receita de US$ 7,6 bilhões. De acordo com a Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), o país também tem ganhado destaque na carne suína (in natura e processados).

Considerado o maior exportador de carne do mundo, o Brasil esteve à frente das discussões acerca da pecuária sustentável e segurança alimentar.

O painel de Pecuária Sustentável, montado no estande do país durante a COP27, apresentou o plano ABC+ (Plano Setorial de Mitigação e de Adaptação às Mudanças Climáticas para a Consolidação de uma Economia de Baixa Emissão de Carbono na Agricultura) criado com a finalidade de planejar e organizar práticas para implementação de tecnologias de produção sustentáveis. O Plano ABC+ visa contribuir para que o Brasil, maior exportador de carne do mundo atinja compromissos internacionais relativos ao desenvolvimento sustentável, redução de emissões de gases de efeito estufa e ao combate à mudanças climáticas no setor agrícola.

Além da agropecuária, o país também esteve presente ativamente em discussões sobre geração de energia limpa, mercado de carbono e a agricultura sustentável, entre outros.

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios