Logística e Transporte

Contenção: Contenção de derramamento de óleo em cenário offshore

Petroleo e Energia
25 de fevereiro de 2015
    -(reset)+

    Barreiras de Contenção – As barreiras tradicionais de contenção, fabricadas de borracha de neoprene, náilon ou poliéster revestido com policloreto de vinila ou poliuretano, são usadas para:

    Contenção e Concentração: A barreira é disposta em uma configuração particular, geralmente com auxílio de uma ou mais embarcações, para que possa conter e concentrar o óleo a ser recolhido. Alguns modelos possuem recolhedores acoplados.

    Revista Petróleo & Energia,Clique a imagem para ampliar

    Desvio/Deflexão de Manchas: Normalmente executada em rios e linhas de praia, fazendo com que as manchas sejam conduzidas a um local mais adequado para a contenção e posterior recolhimento.

    Proteção: Barreiras de contenção, conjugadas ou não com barreiras absorventes, são posicionadas, ancoradas ou arrastadas para desviar a mancha de óleo de áreas de importância ambiental, social e econômica, cuja contaminação por óleo deve ser evitada e que são prioritárias na proteção, como por exemplo, pontos de captação de água para abastecimento público, industrial, de usinas de energia e tanques de aquicultura, marinas, portos, áreas de concentração/criação de animais silvestres, como estuários e manguezais.

    Prevenção: Barreiras de contenção são instaladas preventivamente ao redor de embarcações, plataformas, quando das atividades de carga/descarga, manutenção, em ambientes portuários.

    Atualmente há uma grande variedade de modelos, formas, tamanhos, materiais e acessórios, como por exemplo, barreiras resistentes à queima do óleo, que podem ser rebocadas a velocidades até 5 nós, com separadores água-óleo, recolhedores ou aplicadores de dispersantes acoplados, instaladas em ambos os bordos de uma embarcação, etc., permitindo o uso em diversas situações. Os tipos mais comuns são:

    Barreiras Tipo Cerca: Constituídas por material rígido de polietileno ou semirrígido de poliuretano ou policloreto de vinila, são muito utilizadas em águas calmas, para proteção de cenários emergenciais previsíveis, como tomadas d’água, instalações industriais, canais de descarte de estações de tratamento de efluentes, terminais petrolíferos, canais de acesso em adutoras, usinas hidrelétricas, refinarias e áreas portuárias. Podem ser permanentes, ancoradas ou amarradas a flutuadores, com conectores fixo-flutuantes, adequando-se às variações de marés ou aos níveis sazonais dos rios. Têm a vantagem de possuir resistência à abrasão, corrosão e incrustação, serem de fácil manuseio, manutenção, limpeza e armazenamento, além de alta eficiência.

    Revista Petróleo & Energia,Clique a imagem para ampliar

    Barreiras Tipo Cortina: Geralmente manufaturadas em tecido resistente e revestido com poliuretano, poliéster, policloreto de vinila ou neoprene, flutuador sólido (câmaras de poliuretano, poliestireno, cortiça) ou inflável (câmaras infladas com ar) e saia flexível mantida por lastro de correntes ou cabos na sua extremidade inferior. Têm grande resistência à tração, boa maleabilidade para reboque e instalação e alta eficiência em mar mais agitado. Com diversas possibilidades de altura da borda livre, diâmetro dos flutuadores, altura da saia e comprimento dos lances, podem ser empregadas em várias situações e ambientes, como barreiras de contenção, deflexão ou proteção em águas interiores, rios rápidos e águas costeiras.

    Barreiras de Assentamento: Geralmente manufaturadas em tecido resistente e revestido com poliuretano, ou policloreto de vinila, utilizadas na interface água-terra, nas margens das praias, estuários, manguezais, áreas alagadas. Possuem uma câmara de flutuação superior inflável e duas câmaras inferiores com água, que funcionam como lastro, dando assim estabilidade à barreira e eficiente selagem junto ao sedimento, evitando a passagem de óleo por baixo.

    Barreira com Braços: Barreira de pequeno comprimento acoplada a sistema de braços articulados e recolhedor, podendo ser usada com uma velocidade de reboque até 3 nós. O braço é articulado no través da embarcação para o reboque da barreira de contenção, podendo uma única embarcação operar dois sistemas de barreiras simultaneamente, sem necessitar do apoio de uma segunda embarcação, oferecendo como vantagens uma resposta mais rápida e maior facilidade de manobras.

    Revista Petróleo & Energia,Clique a imagem para ampliar



    Recomendamos também:








    Um Comentário


    1. No yu tub tem um equipamento que retira do mar aberto petroleo e oleo com total. puresa levando de volta au navio



    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *