Máquinas e Equipamentos

Compressores – Modelos variam para atender às exigências de cada aplicação

Gerson Trajano
4 de setembro de 2011
    -(reset)+

    Compressores são usados para aumentar a pressão do gás natural e vencer a resistência inerente às tubulações de transporte. Ele deve apresentar algumas características próprias como, por exemplo, o material usado para confeccionar as vedações e os selos. Existem vários modelos no mercado, diferenciados entre si com base no sistema de compressão do gás. Os tipos mais comuns são o alternativo (pistão), o parafuso e o centrífugo. Eles podem ser acionados por energia elétrica, diesel ou turbina a vapor.

    A fabricação de um compressor está ligada às particularidades do gás encontrado na natureza. Localizado em acumulações de rochas porosas no subsolo (terrestre ou marinho), ele apresenta variação de pressão, temperatura e volume de poço para poço. Ele próprio já é uma mistura de hidrocarbonetos variáveis – a predominância é de metano (CH4) – e frequentemente aparece associado ao petróleo.

    “Tudo isso influi na fabricação do equipamento, exigindo estudos com dados confiáveis e precisos sobre o produto e sua localização para que possamos montar um compressor adequado. Por conta dessas condições, às vezes, leva-se mais de um ano para um compressor entrar em funcionamento; e não existem duas máquinas iguais”, explica Roberto Becker, gerente de produto da Atlas Copco.

    Funcionamento – Nos compressores alternativos a contração do gás é feita em uma câmara de volume variável por acionamento de um pistão, ligado a um mecanismo biela-manivela similar ao motor alternativo. O pistão em movimento comprime o gás a um ponto determinado. Em seguida, uma válvula se abre e deixa o gás escapar, praticamente com uma pressão constante.

    O compressor parafuso é rotativo, constituído por dois rotores helicoidais chamados rotor macho (convexo) e rotor fêmea (côncavo). Geralmente, o macho é acionado por um motor e a transmissão é feita por meio de engrenagens, obtendo-se assim uma elevada velocidade nessa peça, em torno de 3.550 rpm (rotações por minuto).

    O gás penetra no espaçamento entre os filetes dos rotores e, pelo “engrenamento”, vai sendo progressivamente achatado e transportado até a abertura de descarga. Não necessita de lubrificação dentro da câmara de compressão, porque não há contato entre as partes.

    O compressor centrífugo trabalha com rotores tipo turbina promovendo a compressão em alta rotação. Ele integra a família de máquinas dinâmicas, nas quais o meio do compressor é acelerado a alta velocidade por um ou mais impulsores e a energia cinética é convertida em pressão estática.

    Os equipamentos dos tipos alternativo e centrífugo são utilizados para o transporte de gás pelos gasodutos. O modelo parafuso entra nas unidades de recuperação de vapor (URV), em navios-tanques, no armazenamento e na distribuição.

    Os compressores têm vida útil variável. Alguns chegam a durar 30 anos. Os fabricantes recomendam efetuar uma operação completa de manutenção a cada ano, em média.

     

    Leia a reportagem principal:



    Recomendamos também:








    0 Comentários


    Seja o primeiro a comentar!


    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *