Tendência

E-fuel produzido no Chile é gasolina sem petróleo

Primeira usina de combustível verde do mundo, o “E-fuel” fica no Chile

Inaugurada no último dia 20 de dezembro, em Punta Arenas, extremo sul do Chile, a usina de combustíveis ecológicos é o resultado do primeiro experimento de gasolina sintética, produzida em larga escala. Batizado de “Haru Oni” (ventos fortes na língua do povo indígena do Chile), o processo inicial de produção é feito através de dois elementos – água e eletricidade verde –  gerada por meio dos fortes ventos da região, responsáveis pela geração de energia eólica capazes de produzir seis mil horas de operação em carga máxima.

Entre as empresas responsáveis pelo projeto que promete ser uma verdadeira revolução tecnológica estão a Siemens Energy, e a startup chilena Highly Innovative Fuels, além de diversas outras participações, tais como as alemãs Audi, Bosch, a chinesa AME, a italiana Enel, a chinela ENAP e a norte-americana ExxonMobil. Países como a Alemanha, também estão investindo na tecnologia e contribuíram com aporte financeiro de 8 milhões de euros.

Outra parceria do projeto e responsável pelo nome “E-Fuel”, está a Porsche, que demonstrou a utilização do combustível no  modelo Mobil 1 Supercup, durante a Supercup, apresentando sua capacidade após circular normalmente por todo o trajeto, respondendo como qualquer outro combustível fóssil.

Com aspecto transparente e com o cheiro semelhante ao álcool, os “e-fuels” podem abastecer carros, navios, aviões, entre outros veículos movidos a combustão, com pouca ou mínima emissão de carbono na atmosfera, tornando-se a gasolina mais limpa entrando em operação no mundo.

e-fuel
e-fuel

Método de produção e distribuição

Em sua fase piloto, a produção do combustível atingiu 750 mil litros ao ano. A expectativa é que sejam produzidos 55 milhões de litros de combustível verde por ano até 2025 e de 550 milhões de litros por ano até 2027, suficiente para abastecer de um milhão de carros por quase um ano.

O novo combustível, é feito sem utilizar o petróleo, tendo como matéria-prima apenas a água e o ar. O processo de fabricação em larga escala é por meio da eletrólise, que separa a água em oxigênio e hidrogênio. Em seguida sintetizam os componentes com dóxido de carbono, para a geração de metanol sintético, refinam e o conteúdo é transformado no “E-fuel”.

Os benefícios começam na utilização, que não exige adaptação do motor, ou seja, qualquer automóvel está apto a receber o combustível, além disso, o “e-fuel” emite 90% menos CO2 na atmosfera comparado aos combustíveis disponíveis no mercado como a gasolina, diesel e etanol.

Outro benefício está no transporte e comercialização do combustível, uma vez que os postos de gasolina não precisam passar por nenhuma adaptação nas bombas e podem ser transportados da mesma maneira que os combustíveis convencionais.

Futuro

Embora ainda possua um custo alto de produção, a expectativa é que a gasolina verde ou ecológica seja responsável pela diminuição da exploração desenfreada do petróleo para a produção de combustível e minimize os impactos causados no meio ambiente com a emissão de gases poluentes, sendo distribuída em larga escala e com custos acessíveis para o consumidor final.

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios