Biocombustíveis

Biodiesel – Revisão dos padrões oficiais de qualidade estimula produtores

Hamilton de Almeida
26 de fevereiro de 2012
    -(reset)+

    Petroleo & Energia, Fábrica da Basf produz metilato de sódio no Brasil, Revisão dos padrões oficiais de qualificade estimula produtores

    Fábrica da Basf produz metilato de sódio no Brasil

    O setor de biodiesel está na expecta­tiva da divulgação da nova resolução da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), que modificará a Resolução ANP nº 7/2008, atualmente em vigor. Novos padrões de qualidade deverão ser fixados e, por isso, a indústria está motivada.

    Ao mesmo tempo, os repre­sentantes do setor estão na torcida para que se acelere o uso do biodie­sel, chegando ao B20 nas regiões metropolitanas. A expectativa não se justifica apenas por questões ambientais, mas também porque a ociosidade nas fábricas é elevada.

    No dia 16 de fevereiro, repre­sentantes da União Brasileira do Biodiesel (Ubrabio) se reuniram com o diretor-geral interino da ANP, Florival Rodrigues de Carvalho. Em pauta, o novo marco regulatório – avanços do programa, a ampliação para a mistura B7 e a introdução do biodiesel metropolitano (B20), 20% de biodiesel adicionado ao diesel S50, nos grandes centros urbanos. A questão da qualidade do biodie­sel também foi contemplada. No mesmo dia, foi realizada audiência pública, na sede da ANP, no Rio de Janeiro, para discutir a minuta de re­solução que altera as especificações do biodiesel.

    A assessoria de imprensa da ANP informa que a sua área técnica “ainda está analisando as sugestões e comentários recebidos na audi­ência pública (16 de fevereiro)”. Depois desta etapa, será “fechado o texto da resolução, que passará ainda pela Procuradoria Geral da Agência e pela diretoria, para então ser publicado no Diário Oficial da União”.

    De acordo com nota da Agência, a alteração na Resolução nº 7/2008 visa a melhorar o desempenho do combustível e as emissões no uso final, não só na forma de mistura com o óleo diesel como também em seu uso puro, nos casos especiais autorizados pela ANP. Com o novo regulamento, a ANP se propõe a contemplar o maior número possí­vel de matérias-primas e processos, bem como estimular a concorrência entre os produtores, buscando o alinhamento com parâmetros inter­nacionais sempre que possível, com vistas a alcançar a harmonização internacional.

    Maior rigor – O consultor técnico da Ubrabio, professor Donato Aranda, acredita que os novos parâmetros de qualidade serão “mais rigoro­sos”. Em contrapartida, criarão um ambiente de maior tranquilidade no setor. “Assim, não se poderá questionar a qualidade do biodiesel do Brasil. E haverá maior confia­bilidade na hora em que se decidir aumentar o teor de biodiesel no diesel”, observa.

    Petroleo & Energia, Sérgio Beltrão, diretor executivo da Ubrabio, Biodiesel - Revisão dos padrões oficiais de qualificade estimula produtores

    Sérgio Beltrão: B20 poderia ser usado nas cidades durante a Copa do Mundo

    Considera-se boa a qualidade do biodiesel atual. Mas, como salienta Sérgio Beltrão, diretor executivo da Ubrabio, nas etapas da logística de comercialização “às vezes não se observam regras elementares, cuidados adequados de manuseio, que podem degradar o biodiesel, gerando problemas na sua utilização”.

    A Ubrabio espera que a resolução revisada inclua modificações em três pontos principais: ponto de entupimento do filtro a frio; redução do teor de umidade; e estabilidade para oxidação. Segundo Aranda, o ponto de entupimento a frio está estipulado em 19ºC. A Ubrabio propôs a adoção de uma tabela regional e sazonal. A diferenciação de temperaturas, conforme as necessidades de cada região e época do ano, é fundamental para evitar o congelamento do biodiesel e o consequente entupimento dos filtros.

    Na questão da umidade do biodiesel, a proposta é que o teor de água passe de 500 ppm para 350 ppm, chegando a 200 ppm em 2013, com a entrada em vigor do S10 (diesel com teor máximo de 10 ppm de enxofre) em todo o país. Com isso, a probabilidade de contaminação microbiana do biodiesel será bastante reduzida.

    A Ubrabio também defende mudança na estabilidade para oxidação. Hoje, ela está estabelecida em seis horas e é medida apenas no produtor. O que se quer é que a aferição passe a ser executada em toda a cadeia, garantindo mais qualidade ao produto até o consumidor final.

    A entidade de classe também defende o desenvolvimento de uma especificação do biodiesel destilado (de alto grau de pureza; biodiesel premium) para uso específico em frotas cativas alimentadas com B100 (biodiesel puro). Solicita ainda a adoção de parâmetros mais objetivos acerca da coloração do biodiesel proveniente das diversas matérias-primas.


    Página 1 de 3123

    Recomendamos também:








    0 Comentários


    Seja o primeiro a comentar!


    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *