Artigo técnico – Técnica “in situ” acelera remediação de solos: Especialistas demonstram, com estudo de caso, conclusão rápida de processo de descontaminação usando oxidação química

Resultados – No resultado da coleta de água subterrânea realizada em 13/07/2012, a principal substância química de interesse identificada foi o tolueno (concentração máxima de 1.082 µg/L), em um ponto no qual havia a presença de fase livre sobrenadante. Todas as concentrações caracterizadas se encontravam abaixo das metas de remediação estipuladas para a área. Dessa forma, este trabalho foi caracterizado como o primeiro monitoramento para encerramento.

No trabalho, além do tolueno, foram identificadas concentrações (máximas) para os seguintes compostos de interesse: etilbenzeno (6,1 µg/L), xilenos totais (34 µg/L), fenantreno (5,1 µg/L), antraceno (1,2 µg/L), naftaleno (15 µg/L), acenaftileno (0,52 µg/L), acenafteno (1,8 µg/L), fluoreno (2,1 µg/L), fluoranteno (0,87 µg/L).

Todas as concentrações detectadas foram identificadas na área onde havia a pluma de fase livre sobrenadante.

Na sequência do gerenciamento ambiental, realizou-se um monitoramento da água subterrânea, contemplando-se mais três monitoramentos semestrais, perfazendo assim dois ciclos hidrológicos, conforme o procedimento do gerenciamento ambiental determinado pela Cetesb.

Os três primeiros monitoramentos posteriores apresentaram as seguintes características:

• No segundo monitoramento para encerramento (outubro/2012), foram apresentadas concentrações máximas de tolueno de 135 µg/L;

• No terceiro monitoramento para encerramento (março/2013), concentrações máximas de tolueno com 31 µg/L;

• No quarto e último monitoramento para encerramento (setembro/2013), não foi detectada a presença de tolueno nas análises químicas realizadas.

Petróleo & Energia, Samar Steiner
Samar Steiner

Além desse contaminante, todos os compostos químicos de interesse apresentaram redução de concentração, quando comparados ao primeiro monitoramento iniciado no processo de gerenciamento.

Com o propósito de se avaliar a eventual formação de subprodutos na área, realizou-se ainda uma amostragem que contemplava a varredura dos compostos orgânicos voláteis (VOC), semivoláteis (SVOC) e metais prioritários, para demonstrar o controle e a não geração de subprodutos na área de intervenção. Isso foi feito e nada se constatou.

Por meio do controle analítico e da pressão de injeção, também foi possível perceber que não houve migração da pluma de fase dissolvida na água subterrânea, fato evidenciado pela diminuição das concentrações, mas sim manutenção das zonas de influência de concentração e da geometria da pluma.

Inicialmente, a massa total de fase livre apresentava 315 kg de produto. No primeiro monitoramento, a massa total de tolueno calculada foi de 80 g, passando a 10 g no segundo, 2,5 g no terceiro e não sendo identificada no quarto monitoramento para encerramento.

Petróleo & Energia, Marcelo Bárbara
Marcelo Bárbara

Dentro do processo de gerenciamento ambiental, a Cetesb emitiu dois despachos. O primeiro, de novembro de 2012, requisitava o detalhamento do processo de remediação e liberava o caso para realização do monitoramento para encerramento. O segundo despacho, de julho de 2013, pedia adequação do memorial descritivo do processo, analisava os dados dos três monitoramentos realizados, identificava a redução da concentração de tolueno e traços de compostos policíclicos aromáticos (PAHs) na área onde havia a fase livre. E ainda estabelecia que, na possibilidade de o último monitoramento marcado para setembro de 2013 demonstrar tendência de controle da contaminação, o caso poderia ser encerrado.

E foi o que ocorreu: o quarto monitoramento atendeu à expectativa de controle e, portanto, foi encaminhado à Cetesb o pedido de encerramento de caso.

A remediação, portanto, levou 21 meses de trabalho, entre o início da investigação para remediação, o processo de intervenção (injeção) por um período de 3 (três) dias, e o último monitoramento para encerramento.

O caso apresenta-se na fase de monitoramento para encerramento finalizado e de aguardo do termo de reabilitação da área, a ser emitido pelo órgão ambiental

OS AUTORES

Samar Steiner e Marcelo Bárbara são geólogos formados pela Universidade de São Paulo (USP). Steiner possui doutorado na USP, com especialização em modelagem matemática.  Bárbara tem mais de 15 anos de experiência em projetos de remediação ambiental, com passagem por grandes empresas da área. Ambos são sócios-diretores da Tratch-Mundi, empresa especializada em gerenciamento e remediação de áreas contaminadas do grupo Ecotech.

Página anterior 1 2 3

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios