Artigos Técnicos

Artigo Técnico – Reforma de torres de resfriamento exige capacitação tecnológica

Petroleo e Energia
13 de maio de 2013
    -(reset)+

    Petróleo & Energia, ... e no equipamento mecânico da torre

    … e no equipamento mecânico da torre

    Muitas torres também foram e ainda são, em menor quantidade, construídas com estruturas de concreto armado, que demandam mais tempo para a instalação e custos mais altos. Torres com estruturas de aço-carbono também são comuns, seja com proteção por galvanização a fogo seja por pintura com tintas à base de epóxi. Fibra de vidro, em estruturas autoportantes ou projetadas com perfis pultrudados, da mesma forma, têm sido muito utilizadas, por serem duráveis, anticorrosivas, fáceis de montar e rápidas para produzir e fornecer, demandando menor tempo para instalação e menor custo final. O importante é salientar que, independentemente do material de construção, todas elas requerem cuidados com a manutenção e muitas necessitam de reformas periódicas ao longo da sua vida útil.

    As torres com estruturas de madeira, ainda existentes no Brasil, têm sido reformadas com a utilização de perfis estruturais pultrudados de fibra de vidro, seja pela substituição total ou parcial. Hoje não se tem mais como realizar as reformas utilizando madeira, em virtude de restrições da legislação ambiental. Nesses casos, há de se fazer uma avaliação do estado das estruturas originais e se determinar quais os tipos de ataque existentes. Eles podem ser microbiológicos (apodrecimento: os micro-organismos se alimentam da celulose da madeira, deixando a lignina sem resistência mecânica) ou químicos (ataque da lignina, deixando as fibras de carbono expostas, sem o elemento de ligação: madeira fibrosa e esbranquiçada). As peças danificadas são substituídas por perfis estruturais de fibra de vidro pultrudada ou peças laminadas.

    Já as torres com estrutura de aço-carbono com corrosão excessiva ou equipamentos com estruturas de fibra de vidro sob ataque químico devem ter os componentes danificados substituídos. No caso das estruturas de aço, a substituição pode ser feita com fibra de vidro pultrudada. Cuidados com a qualidade da água devem ser adotados para evitar que o processo se repita.

    Petróleo & Energia, Estrutura de concreto: custo mais alto

    Estrutura de concreto: custo mais alto

    No caso das torres construídas com concreto armado, as reformas são mais demoradas e onerosas. São requeridas quando o ataque ao concreto ocorre principalmente em peças mais delgadas, com menor recobrimento da ferragem. O ataque ocorre nas armaduras internas das colunas, vigas e lajes, cuja corrosão destrói os elementos de ligação, expondo-as à atmosfera e ao fluido circulante. Os processos de recomposição das ferragens e de alvenaria devem ser criteriosos, de acordo com as normas aplicáveis, executado por empresa especializada.

    Os internos também são alvo de muitos serviços de reforma. Enchimento, eliminadores de gotas e sistemas de distribuição de água necessitam de atenção quando ocorrem entupimentos, seja por incrustações ou por contaminações de micro-organismos. Nesses casos, pode haver apenas a necessidade de limpeza mecânica por hidrojateamento ou desobstrução de tubos e bicos pulverizadores. Mas também pode ser preciso substituir os componentes afetados, requerendo a desmontagem e a instalação dos componentes novos. É importante que se tenha o conhecimento da causa do problema, para que ele não volte a ocorrer em curto espaço de tempo.

    Outras demandas – Estragos nos componentes mecânicos das torres podem exigir intervenções. É comum a substituição de rolamentos e retentores dos redutores de velocidade e mancais, a troca de correias e a recuperação das pás, cubos e parafusos das hélices, bem como a substituição de rolamentos dos motores elétricos, a remoção mecânica de camadas corroídas nos chassis e a posterior pintura de todos os componentes. As hélices devem ser balanceadas dinamicamente após sua recuperação, de forma que garantam que todo o conjunto opere dentro de limites seguros para evitar danos aos componentes giratórios.



    Recomendamos também:








    0 Comentários


    Seja o primeiro a comentar!


    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *