Aneel anuncia como ficam as bandeiras tarifárias da luz em Outubro

Para este mês, a Aneel manteve a bandeira verde. Portanto, não haverá cobrança extra na conta de luz

Para o mês de outubro, a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) manteve a bandeira verde para todos os consumidores conectados ao Sistema Interligado Nacional (SIN). Dessa forma, pelo sexto mês seguido, não haverá cobrança extra na conta de luz.

Desde o fim da bandeira de escassez hídrica, que durou entre setembro de 2021 e meados de abril deste ano, a conta de luz está sem taxas extras. De acordo com a Aneel, à época, a bandeira verde foi escolhida em razão das condições favoráveis de geração de energia.

Portanto, se houvesse a implantação das outras bandeiras, a conta de luz reproduziria o reajuste de até 64% das bandeiras tarifárias que foi aprovado no final de junho pela Aneel. De acordo com a agência, os aumentos refletiram a inflação e o custo maior das usinas termelétricas em 2022, devido ao encarecimento do petróleo e do gás natural nos últimos meses.

Bandeiras tarifárias de energia

Bandeiras tarifárias

O sistema de bandeiras tarifárias está em vigor desde 2015 e é regulado pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). Bandeiras tarifárias são um sistema que sinaliza se haverá acréscimo no valor da energia para consumidores finais, devido às condições de geração energética, principalmente das usinas hidrelétricas. Por exemplo, em caso de falta de chuvas, os reservatórios ficam abaixo da média. Assim, pode haver mudança na bandeira (verde, amarela e vermelha) que aparece na conta de energia, indicando se a eletricidade custará mais, ou menos, em determinado período.

De acordo com a Aneel, essas são as características de cada modalidade:

  • Bandeira verde: significa que as condições de geração de energia estão favoráveis. Portanto, não há acréscimo na tarifa;

  • Bandeira amarela: demonstra condições menos favoráveis de geração energética. Dessa maneira, a tarifa tem o acréscimo de R$ 0,01343, a cada kWh consumido;

  • Bandeira vermelha (patamar 1): representa condições mais custosas nessa geração. Logo, há o acréscimo de R$ 0,04169 na tarifa, por kWh consumido;

  • Bandeira vermelha (patamar 2): a segunda fase da bandeira vermelha mostra condições de geração ainda mais custosas. Nesse caso, o acréscimo na tarifa é de R$ 0,06243, para cada kWh consumido.

De acordo com os cálculos do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), a Aneel estabelece qual será a bandeira tarifária para o mês seguinte, ou seja, se o custo da geração de energia será mais alto ou não. A exceção é o estado de Roraima, por não fazer parte do Sistema Interligado Nacional (SIN).

Para saber qual será a bandeira tarifária do próximo mês, basta acompanhar o anúncio da Aneel, nas datas previamente divulgadas no calendário de acionamento de bandeiras tarifárias. Se a bandeira for verde, nenhum valor será adicionado ao consumo mensal. Em contrapartida, as bandeiras amarela e vermelha mostram que haverá um acréscimo.  

Seja qual for a bandeira do mês, é fundamental praticar o consumo consciente de energia, tanto por questões de economia, quanto de sustentabilidade.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios