Petróleo e Energia

Segurança: Aspectos de Segurança na Cimentação de Poços de Petróleo

Petroleo e Energia
15 de dezembro de 2015
    -(reset)+

    Texto: Jan Fernandes Aslan

    Petróleo & Energia, Segurança: Aspectos de Segurança na Cimentação de Poços de Petróleo ©QD

    Gráfico 1

    Os riscos relacionados à segurança das operações devem ser analisados por cada equipe responsável, desde a fase conceitual do projeto até a sua execução. Esta prática, uma vez negligenciada, pode dar origem a acidentes como o da sonda Deepwater Horizon, no prospecto de Macondo, onde a explosão da plataforma resultou no derramamento no mar de mais de 4 milhões de barris de petróleo e na perda das vidas de 11 funcionários.

    Blowouts (como o ocorrido em Macondo) são eventos de fluxo descontrolado de fluidos da formação para a superfície devido a alguma falha no sistema de controle da pressão no poço. Segundo a Mineral Management Service (MMS), agência americana equivalente à ANP no Brasil, durante o período entre 1992 e 2006, o principal fator que contribuiu para blowouts na porção offshore americana foi a cimentação (18 em 54 blowouts reportados).

    A cimentação em poços de petróleo é basicamente a colocação de pasta de cimento numa porção do poço com o objetivo de isolar hidraulicamente diferentes zonas de interesse que foram deixadas expostas durante a sua perfuração. A importância do isolamento dessas zonas, além da produção seletiva de hidrocarboneto na profundidade de interesse, é compor com ele um sistema de barreiras de segurança, em conformidade com a Portaria da ANP N° 25, sendo um dos elementos de integridade do poço.

    As falhas na cimentação, se não forem identificadas ou controladas, podem dar origem a acidentes que provocam danos pessoais, materiais, ambientais e financeiros. Além de prejudicar a imagem das empresas envolvidas.

    Petróleo & Energia, Segurança: Aspectos de Segurança na Cimentação de Poços de Petróleo ©QD

    Gráfico 2

    A mitigação dos riscos na cimentação de poços trata essencialmente do seguimento das boas práticas aplicáveis para cada tipo de operação e da compreensão e utilização de técnicas para combater a migração de gás que é considerado um cenário de risco mais elevado devido às dificuldades de detecção de um influxo.

    Cimentando um Poço de Petróleo – Depois de perfurada a fase do poço (Gráfico 1), tubos de revestimento de aço carbono são enroscados e descidos com sua base posicionada próxima da profundidade final da perfuração (Gráfico 2).

    Gráfico 1 e 2

    Depois de posicionado o revestimento no fundo do poço, é iniciada a circulação do fluido de perfuração por meio das bombas da sonda. A base do revestimento (sapata) possui válvulas que permitem a passagem do fluido de perfuração do interior do revestimento para o espaço anular do poço, mas fecham a passagem quando o bombeio é interrompido.

    Após o fim da circulação, inicia-se o bombeio de colchão espaçador e pasta de cimento pelo interior do revestimento. Um tampão de borracha instalado no topo do revestimento é usado para separar a pasta de cimento do fluido de perfuração. Este tampão é empurrado pelo fluido de deslocamento com uma vazão programada (f). O final da cimentação (Gráfico 3) é alcançado quando o tampão de borracha topa no colar flutuante, impedindo a continuidade do fluxo. Dessa forma, o cimento empurrado pelo tampão de borracha fica posicionado dentro do revestimento, entre o colar flutuante e a sapata, e no espaço anular entre o poço e o revestimento até uma altura necessária para cobrir as zonas de interesse. Colar flutuante é um equipamento colocado entre tubos de revestimento aproximadamente 50 metros acima da base do revestimento, possuindo o mesmo sistema de válvulas da sapata. O funcionamento destas válvulas é muito importante ao final da operação de cimentação, quando fluidos mais densos no anular do poço têm a tendência de retornar para o interior do revestimento devido ao diferencial de pressão (Tubo em U). Estas válvulas não permitem tal retorno, mantendo a pasta na posição projetada.

    Petróleo & Energia, Segurança: Aspectos de Segurança na Cimentação de Poços de Petróleo ©QD

    Gráfico 3

    Gráfico 3

    O êxito da cimentação é alcançado quando cimento íntegro é posicionado em toda a circunferência do anular, impedindo qualquer comunicação entre as zonas que se deseja isolar. Para evitar falhas na cimentação, que podem dar origem à comunicação de fluidos entre zonas e influxo para a superfície (blowout), serão apresentadas práticas estabelecidas pela indústria para minimização destes riscos.

    Práticas Recomendadas para Cimentação 

    Antes da Operação de Cimentação – O sucesso da cimentação tem relação direta com as operações que a antecedem. Durante a perfuração da fase, um poço bem calibrado e um fluido de perfuração com um controle de filtrado bem ajustado são muito importantes para a cimentação. Um poço descalibrado e com grandes arrombamentos torna a operação mais sujeita a riscos, uma vez que há maior área anular a ser coberta com o cimento. Por sua vez, um fluido de perfuração com altos valores de filtração pode formar rebocos espessos na parede da formação, criando zonas de baixa mobilidade e difícil remoção.

     



    Recomendamos também:








    3 Comentários


    1. Eu gostaria de saber quais as medidas a se tomar para evitar a poluição ambiental causado por poços de petróleo?


    2. Kanga Garcia João

      Eu quero tanto me formar nessa área,ou fazer este curso,o que eu posso fazer? Por favor me ajudem.



    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *